excursionando

Chegando em Veneza, me encontrei com o grupo no Hotel. Estava um pouco curiosa para saber que tipo de gente viria. Eu não fazia idéia nem de que língua seria falada nesse grupo. Qual não foi minha surpresa ao me deparar com um monte de gente da América Latina, de todas as idades. Famílias inteiras, inclusive as avós, todo mundo falando espanhol. E o guia falava português. Ficou tudo muito fácil. :grin: Eles já vinham juntos desde Madrid, onde começou a excursão e eu peguei o bonde andando.

Era dia 24 de dezembro. Era para ter um jantar da excursão. Mas o guia descobriu que o restaurante estava fechado :!: , então o que é que cerca de 20 latinos fazem? Saem andando no meio da rua procurando um lugar pra fazer a festa. Passamos por um boteco qualquer — a primeira coisa aberta até então — e uma das senhoras resolveu entrar e se sentar. Todos os outros seguiram e, claro, eu fui atrás. As famílias me acolheram e, durante o jantar, vários deles (principalmente as avós) puxaram conversa comigo.

Falando em jantar, quando entramos no bar, alguém perguntou o que tinha pra comer lá. O garçom pensou um pouco e acabou oferecendo pizza, que, acredito eu, eles pediram em em diskpizza qualquer… mas o que vale é a intenção, né? Uma das mulheres ainda pediu para o garçom aumentar o volume e colocar alguma música latina. O pobre ainda tentou, mas o grupo não gostou da música e desistiu de tentar dançar. Voltamos para o hotel, porque o dia seguinte começava cedo.

Veneza

Visitamos Veneza pela manhã. Catedral, Piazza San Marcos (quem inventou que essa é mais bonita que a de Salamanca tinha perdido o juízo), Ponte dos Suspiros.

Descobri que tinha um único brasileiro no meio do grupo, que, pobre coitado, não falava espanhol e tava de saco cheio de não entender nada há mais de dez dias. Pulamos o passeio de gôndola (muito caro! :evil: ) e ficamos batendo perna (e nos perdendo) pela cidade.

Florença

Ainda antes do almoço seguimos viagem. Ritmo de excursão é bem puxado. Almoçamos num restaurante de beira de estrada, bem diferente dos que se acha nas estradas brasileiras. Chegamos em Florença há tempo de um verdadeiro jantar típico num restaurante meio fora da cidade. Tinha uma banda tocando música italiana e a comida estava bem gostosa.

Visitamos a cidade pela manhã. Só que dia 26 era feriado nacional de sei-lá-o-quê na Itália, e tava tudo fechado… só
abririam pela tarde, depois do nosso horário de ir embora. Confesso que foi meio frustrante ir para Florença e não poder ir no museu nem entrar na catedral. Vai ter que ficar para outra vez. Paciência. Pelo menos a cidade é bonita… e deu pra gente ver várias das estátuas famosas que tem por aqui, já que elas ficam em pátios ao ar livre. Além de, claro, alisar o javali, pra chamar dinheiro. Também adorei a vista de cartão postal de uma das pontes da cidade.

Roma

E como todos os caminhos levam a Roma… De Florença pegamos a estrada direto para lá, parando novamente para um almoço no caminho. :roll: Chegamos à capital italiana já à noite, mas tivemos direito a um citytour noturno e a visão inesquecível da Fontana de Trevoli iluminada.

O dia seguinte começou já em outro país. Calma. Tudo bem que a excursão estava seguindo um ritmo alucinado, mas não foi pra tanto. Foi só o Vaticano… Como disse a guia, não precisou mostrar o passaporte, mas cruzamos a fronteira. :smile: Foto do dia anterior à noite, do lado italiano da fronteira.

Começamos pelo museu, onde uma parte das estátuas tinha os olhos pintados (kinda freaky) e tem quadros até no teto. O museu leva até a Capela Sistina, que é lindíssima, mas também é proibidíssimo tirar fotos. Depois descemos para as catatumbas e direto para a Basílica de São Pedro… indiscritível. Apesar de que, acho que eu meio que me senti como em Notre Dame… mesmo linda e tal, mas… é grande de mais e tem obra de arte de mais. Sei não. Pra mim ainda parece mais um museu. Tá aqui a Pietá de Michelangelo. Ah, e fiquei com pena do pobre do São Pedro, que está ficando sem pé. Pena que não tirei foto disso.

Por sermos um grupo com guia oficial do Vaticano, pudemos entrar uma hora antes de todo mundo, enquanto aquela fila quilométrica se formava do lado de fora. Foi o momento que mais valeu a pena estar numa excursão, sem dúvidas. Bem, devido a esses privilégios, conseguimos fazer tudo isso antes das duas da tarde, deixando praticamente a tarde inteira livre. Eu e o outro brasileiro fomos, então, visitar o Coliseu.

Depois ainda caminhamos pela famosíssima Via del Corso e visitamos o Pantheon e mais umas duas igrejas pelo meio do caminho. A volta para casa que foi uma verdadeira aventura, com direito a passeio de bonde e de ônibus e ainda se perder à pé. Ô hotelzinho longe, viu? :evil:

Nápoles e Pompéia

Novo dia, nova aventura. Saímos cedo de Roma, passamos por Nápoles (tipo, citytour dentro do ônibus only, mal deu tempo de bater foto) e fomos para Pompéia. As ruínas são realmente impressionantes. E os pequenos detalhes são o que mais me chamaram a atenção. A guia local contou que acharam um forno fechado, com 86 pãezinhos carbonizados dentro. Inacreditável.

Pisa

O dia seguinte foi meu último dia com o grupo. Peguei uma carona com eles até Pisa, mas eles só deram uma rápida olhada na torre inclinada e foram embora. Eu fiquei, subi na torre, entrei na igreja e bati várias fotos… só fiquei um pouco frustrada porque não tinha quem batesse uma foto minha daquelas engraçadas, segurando ou empurrando a torre. Bummer. Mas, voltando ao que interessa… A primeira visão da Piazza dei Miracoli é mesmo de tirar o fôlego.

RSS feed

deixe seu recado »

No comments yet.

Name (required)
E-mail (required - never shown publicly)
URI
Your Comment (smaller size | larger size)
You may use <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> in your comment.

Trackback responses to this post